Na Natureza Selvagem (2007)

Com certeza, você já deve ter tido uma imensa vontade de desaparecer, correr de tudo e de todos, levar uma vida totalmente diferente ou ao menos, nascer de novo. E foi isso o que Christopher McCandless decidiu fazer de sua vida. Ele, havia acabado de se formar, e tinha um futuro brilhante estudando Direito na Universidade de Harvard, mas jogou tudo para o alto e caiu na estrada, com um único objetivo : chegar ao Alasca!
Christopher, acaba com a sua identidade e vira Alex Supertramp. As primeiras perguntas que vem a nossa mente é : Porque ele está fazendo isso ?!
O filme dá uma resposta óbvia, Christopher quer encontrar o real sentido da vida, entender os seres humanos e encontrar a verdadeira felicidade. Mas, um dos principais motivos para a sua grande jornada, são seus pais, Chris se cansa das brigas dos dois e da ‘certa futilidade’ que os cerca, ele se cansou de viver uma vida de aparências. Em seu caminho, Chris encontra pessoas, que vai formando seu caráter e o ajudam em suas questões, como por exemplo o casal de hippies, no qual cria-se uma relação de amizade familiar, principalmente Jan que não tem notícias de seu filho, ela se apega a Alex com seu instinto maternal.
E no meio disso tudo, tem lugar para o romance, mas em nenhum momento trabalhado e muito menos consumado, a personagem feita pela Kristen Stewart, aparece poucos minutos na tela, mas é bonito o amor que ela construiu em cima de Alex, mesmo que seu interesse se baseie ao sexo.
Em sua rota final, Alex encontra um senhor simpático, o Ron Franz, um senhor que mora sozinho, sem família e que se apega (também) fraternalmente á Alex, a cena de despedida entre os dois, chega a ser tocante, de tão emocionante.
Willian Hurt e Marcia Gay Harden, interpretam os pais de Chris, e conseguem passar toda a dor e culpa dos pais, pela ‘perda’ do filho, a angústia de ter um filho praticamente ‘morto’ para eles, é intensamente interpretada pelo casal. E, por fim tem a belíssima atuação de Emile Hirsch, que é muito parecido com Chris, e consegue passar toda a vivacidade do personagem para a tela. Esse personagem, existiu na vida real, o que você acbou de ler, não é apenas ficção e sim realidade. Imagino o trabalho que Sean Penn teve para realizar este longa, já que Chris, passou por vários lugares e não tinha muitos contatos a não ser um ‘diário ‘ e cartas, que vão sendo lidas no decorrer do filme mesclando com a narrativa em off da irmã. O filme abusa da bela fotografia, e de sua trilha sonora impecável.
“Na Natureza Selvagem” é um belíssimo filme em todos os sentidos, uma pequena obra-prima para ser apreciado.

Por: Alan Raspante – Cinema Público

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: